Digital feito à mão

Cassio Bobsin

3 min. read

Nos anos 1990, pelo menos, para mim, quarta-feira era dia de cinema. Apenas nesse dia, o preço do ingresso era metade do habitual. Fã de cinema e duro como qualquer estudante do ensino médio que preze, eu fazia a festa neste dia. Nessas sessões de quarta-feira, vi vários filmes que se tornariam clássicos: “Forrest Gump”, “O Resgate do Soldado Ryan”, “Pulp Fiction”.  E um, em especial, que me chamou a atenção: “Toy Story”, anunciado como o primeiro longa-metragem de animação feito inteiramente no computador. Depois do meu primeiro encontro com Woody, Buzz Lightyear e sua turma, saí maravilhado. E ainda mais apaixonado pela tecnologia e suas possibilidades. 

MODELO 3D PRÉ-RENDERIZADO PARA O FILME TOY STORY

Mais ou menos por essa época, minha coleção de música era composta quase inteiramente por CDs. Para mim, o futuro tinha a cor de arco-íris, feito da luz refletida vinda dos disquinhos de plástico. Uns anos depois, vieram os arquivos de MP3, e na hora eu me dei conta que logo logo os próprios CDs virariam lixo. Na minha cabeça, a relação entre o mundo físico e o mundo digital era isso: novas formas de se reproduzir, devem passar por cima das antigas. Com o tempo, eu descobri que não era bem assim. 

Ao mesmo tempo em que o mundo digital ganha espaço nas nossas vidas, um sentimento nostálgico nos leva a procurar o mundo físico. Embora toda a música do mundo esteja ao meu alcance nas plataformas de streaming, eu comecei a colecionar discos de acetato (tecnologia anterior ao vinil), que só tocam num gramofone mecânico que comprei numa feira de rua. E muita gente mais jovem, que não chegou a consumir música nem em formato vinil ou CD na adolescência, faz o mesmo. Os LPs, ao contrário dos MP3s, têm mais do que músicas, têm encarte, têm cheiro, têm foto, têm tato, têm arte, ou seja, têm a mão humana. No final, o feito à mão parece ser a única forma de nos reconectar com a nossa essência. Sendo mais direto, é como se a sociedade estivesse explorando uma nova forma do que significa ser humano na era digital. E como apontamos para um futuro onde ampliaremos o espectro de nossa humanidade, é evidente que os artesãos como, marceneiros, carpinteiros ou cozinheiros qualificados, se tornarão uma valiosa mercadoria.

Vem justamente dessa área um ótimo exemplo de como a tecnologia e o artesanato podem e devem conviver harmoniosamente. Alguns dias atrás, conheci o trabalho de um designer australiano  chamado Berto Pandolfo. Ele utiliza na produção de seus móveis um processo que mistura o artesanato old school com peças produzidas por impressoras 3D. Seu conceito é integrar um movimento que a escritora Lucy Johnston batizou de “digital handmade”. Parece contraditório? Num futuro muito próximo, não. Estamos inaugurando um futuro artístico tão digital quanto natural. 

PHOTO BERTO PANDOLFO POR TRÁS DO SEU PROJETO PRT EM CURTA-METRAGEM

E isso não é novo, quer um bom exemplo? Manet, não se tornou menos artista depois que substituiu as tintas feitas de pigmento pelas tintas industrializadas em tubos de alumínio. Pelo contrário, ele rompeu suas fronteiras criativas, pois isso lhe dava a liberdade de pintar em qualquer lugar, abandonando o ateliê e experimentando apenas o cavalete! Essa, aparentemente insignificante, descoberta, na verdade, revolucionou a produção artística. Os processos de produção da tinta a óleo os obrigavam a preparar uma pequena quantidade de certa cor para trabalhar apenas uma área do quadro. Já os tubos fornecerem um material que poderia ser reaberto várias vezes, além de novos pigmentos sintetizados pela indústria.

Manet e seus amigos foram os primeiros a usar esse grande avanço tecnológico: o tubo de alumínio para guardar tintas. Ou seja, o mesmo está acontecendo com as ferramentas da ilustração digital, um tablet e uma caneta digital podem sim coexistir com um pincel e uma a tela. 

Mais de 25 anos depois do lançamento do primeiro “Toy Story”, as animações feitas no computador se tornaram tão comuns que ninguém mais comenta como elas são produzidas, e mesmo depois de todo esse tempo, os filmes da série continuam emocionando novas gerações. Certamente porque, independente da tecnologia colocada, o ingrediente principal do filme, ainda continua sendo o seu roteiro. 

Ou seja, a mão humana.

C:\>_Cool, not cold,
Bobsin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.